terça-feira, 13 de maio de 2008

Yeaaaaaaaah, I got my VISA! Thanks, my Jesus.

Visto concedido!
Bom, não foi bem isso que eu escutei. Talvez... Eu não entendi muito bem o que ela falou, mas quando ela me deu o papel para pagar a taxa de U$40,00, então eu percebi que eu havia conseguido.
Sim, consegui meu tão esperado visto! Nossa, que peso saí das nossas costas. É um alívio. Deve ser a mesma sensação de quando uma mãe acaba de conceber seu bebê. Um tremendo de um alívio! (Peguei pesado? não sei, eu nunca tinve um filho...)
A verdade é que o visto concedido é a certeza de sua viagem. Tudo que vem antes é o embrulho, tudo muito superficial... então, quando se ganha o visto, é a certeza que seu presente está ali.

Meu visto foi no Rio de Janeiro mesmo, afinal, eu moro aqui.
Cheguei por volta das 07:00h. Meu noivo foi comigo. Eu cheguei primeiro e ele logo em seguida.
Encontrei uma filinha, mas nada que pudesse me desanimar ou arrancar um descuidado murmúrio.
Foi rápido. Um rapaz do consulado separou as pessoas em três filas: as que estavam marcadas até as 08:00h, as que estavam marcadas a partir das 08:00h e a última fila só para aquelas marcadas de 09:00 h em diante.
Ele começou a revisar os principais documentos e grampear a foto no Ds's 156. É impressionante a capacidade dele bagunçar num só instante a papelada que nós demoramos horas para organizá-las da melhor maneira possível!
Depois disso, entregamos nossas bolsas para guardarem, passamos pelo detector de metal e entramos num pequeno salão para pegar a senha e esperarmos a captação da digital. Uffa! (risos)
Enquanto eu passei por este processo, Rafa estava dando uma voltinha. Não pode ter acompanhantes, com exceção de menores de idade.
Depois de "ceder" minhas impressões digitais, o que não demorou nem 15 minutos contando com a espera para ser chamada, foi a vez de esperar ser chamada para a entrevista num outro espaço.
Aí sim, eu comecei a ficar tensa. Até para escolher o lugar aonde iria sentar foi difícil. Direita ou esquerda? Como se isso pudesse influenciar em algo. Mas juro que pensei nesta hipótese. Decidi pela esquerda, logo na primeira fileira.
Tentei observar as cabines. A mais curiosa era a cabine 7. Muitos falam mal dela. Dizem que tem um entrevistador casca dura. Não consegui olhar o rosto dele. Melhor assim, ou o nervoso talvez seria melhor. Antes a curiosidade a ter medo.
Torci para não ser chamada no guinchê 7. Deu certo. (Thanks, God!)Fui chamada na 2.
Lembrei do lindo sorriso, mas a impressão que tive foi que saíu apenas um sorriso tímido. Deparei-me com uma mulher branquinha, loira, cheia de pintinha e muito simpática.
Agora eu vou narrar como foi a entrevista, ok?!

C: Ellen Cristina?
E: Sim, Ellen Cristina.

C: Quantos anos você tem? (parecia que ela estava me achando muito nova...também pudera, vestindo macacão...)
E: 24 anos.

C: Qual o motivo da sua viagem? (em inglês! ela nem falou: vamos conversar em inglês? vamos ver como está seu inglês? não! ela me pegou de surpresa mesmo.)
E: Programa de Au Pair (em inglês também. a partir daqui, tudo era em inglês.)

C: O que você faz?
E: Sorry?! (risos-aqui eu soltei meu primeiro sorry?!foi inevitável! apesar da pergunta ser hiper simples, ela falou tão rápido e um tanto embolado que eu não consegui entender mesmo.)
C: Work? Study?
E: Ahhh! Eu estudo.

C: o que você estuda?
E: Dança e pedagogia.
C: Aonde?
E: Dança na UFRJ e pedagogia na UERJ.
C: Você terminará antes ou depois da sua viagem?
E: A de pedagogia eu terminarei próximo semestre. A de dança daqui a dois anos.(esqueci de dizer que seria isso só se eu não conseguisse o visto. acho que ela entendeu.)

C:Você mora com sua família?
E: Sim, com meus pais.
C: o que eles fazem?
E: Meu pai é aposentado, mas dá aula de matemática.
C: Ele dá aula aonde?
E: What?! (minha segunda interrogação...argh!)
C: Ele trabalha em escola da prefeitura, do estado, particular?
E: Prefeitura
C: Sua mãe?
E: Minha mãe é professora também. Ela dá aula de português.

C: Você já esteve na Argentina? (ela olhou meu passaporte)
E: Sim.
C: Já esteve nos Estado Unidos?
E: Não, nunca.
C: Já esteve na Europa?
E: Não, nunca. (confesso que soltei outro what?! Puxa, mas ela fala rápido mesmo!)

C: Você já sabe para aonde vai?
E: Sim, Atlanta.
C: Atlanta...

C: Quantas crianças você tomará conta?
E: 2. eles são gêmeos.
C: Quantos anos eles têm?
E: Eighteen. (eu não sei o porquê, mas eu fiquei pensando na pronúncia do eight, eighteen e eighty, e acabei soltando o eighteen. podem imaginar a cara de espanto dela, né?!)
C:?!
E: Eight. They are eight years old. ( com bastante ênfase. risos)
C: :)

Aí ela falou algo e eu só entendi que era para voltar lá depois de paga a taxa. Foi o que eu fiz. Na realidade, demorou. A cabine de pagamentos não estava aberta. Então eu tive que esperar. Foi o que mais demorou. Por volta de 20 minutos.
Voltei lá depois que peguei a taxa. E ela falou outra coisa lá e eu não entendi de novo, só o final, "good luck!". O importante é que o meu visto foi concedido.
Detalhe que eu não posso deixar de contar...Ela não olhou nenhum documento que eu levei, melhor dizendo, nenhum documento que comprovasse algo. Aff! Entrei com a pasta fechada e saí com ela da mesma forma...Nem acredito do tanto de esforço que tive.
Outra coisa, não encontrei nenhuma au pair lá. Que chato...queria conhecer alguém por lá.
Depois que saí de lá, encontrei com o Rafa. Ele me perguntou com foi. Eu confirmei a viagem e ele me entregou uma rosa. Esperto ele...a rosa serviria nas duas situações...risos - muito esperto esse menino.
Almoçamos juntos. Comemoramos a viagem, apesar dele dizer antes que estava neutro-não torcia contra nem a favor.
Quando cheguei em casa, eu enviei logo um e-mail para a minha hostfamily. A jean respondeu:

"That is wonderful! Congratulations!!!! I know you must have been very nervous.
We are so excited about your arrival. I will send you some pictures of the house and the boys this week.

Have a wonderful day!

Love,

Jean"

O Shawn:
"Congratulations ellen. We are excited that all went well and we look forward to you joining our family."

E eu fiquei toda boba...

Por último, deixa eu contar essa... No meio da rua eu ligo para minha mãe para contar a boa nova.
- Oi, mãe. Mãe, consegui o visto!
- Que bom, filha. Ellen, você sabe me dizer como eu carrego o mp3?! Quando eu estava escutando as músicas, ele desligou sozinho.
-Ahn?!

Hahahahah. É isso aí! Fruto do dia das mães! Por isso, se quiser que sua família comemore a notícia com você, não dê nenhum presente na véspera. risos


Bom, gente, para quem conseguiu ler até o final, meus Parabéns. Eu tive que escrever. Quero guardar estas lembranças para sempre cheinhas de detalhes. Estou muito feliz hoje.
Obrigada por todos que torceram por mim. Essa vitória é nossa.
Para aqueles que estão por ir...mantenham a calma (imagino que vocês já tenham escutado ou lido isso bilhões de vezes, mas é verdade, a calma é um santo remédio.)

Deus, a Ti também eu agradeço. A ti primeiramente, pois Tu és um Deus fiel. Muito obrigada Pai, pela tua graça sobre minha vida. Eu te amo muito, Senhor, independente do sim ou do não.

2 comentários:

Raquelzinha disse...

Oi Ellen! Achei o seu blog e vi que vc vaificar pertinho de Atlanta! Mais uma brasileira por perto! Ebaaaaaaaa
Beijos
Raquel

suelen disse...

LUCK ONE,IM HAPPY FOR U,KISSES SU