terça-feira, 24 de julho de 2007

O Começo - PARTE III

Oi, a todos os visitantes ocultos e inesperados. Que tal continuarmos a história?!

Bom, para aqueles que ainda não me conhecem, um segredinho básico: sou teimosa como uma mula...para aqueles que já tem mais experiência de Ellen, esses já devem ter concluído que a escolha sem dúvida nenhuma continuaria sendo Inglaterra... e ainda continua.

Ainda que K. Spencer tenha me causado uma grande decepção, eu fiquei tão animada em ir à Inglaterra que continuei sonhando com a possibilidade, e então, foi quando conheci o site http://www.aupair-world.net/ . Ele é maravilhoso para quem está procurando famílias na Inglaterra.

Foi lá que conheci minha futura host family. O pai é do Egito e a mãe é inglesa. Eles têm 3 filhos: um rapaz, uma jovem e uma criança de 10 anos; é desta última que eu vou cuidar. Os outros dois são casados.

Sabe, vai ser tudo novo para mim e para eles porque minha host family nunca tiveram uma au pair antes. Em consequência disso, mais trabalho... lá fui eu buscar informações no consulado. Tenho que confessar: com maiorrrrr medo. Pensa bem: eu já sabia que a Inglaterra não aceitava brasileiras como au pair, então como eu iria perguntar a eles o que seria necessário para estudar e trabalhar na casa de uma família cuidando de uma criança? Eu formulei um monte de respostas conforme as possíveis perguntas que o atendente me faria. Concluindo: o máximo que falei quando cheguei lá foi ao perguntar as horas para anotar no caderno de visitas, isto porque eles têm uma bancadinha com vários informativos. Eu fui e peguei o meu. Está tudo explicadinho em um dos papéis que peguei. Depois eu vou transcrever tudinho aqui para aqueles que buscam informações também a respeito.

Bom, uma das coisas que me preocupei em relação a minha família foi conhecê-la realmente. Nem precisou muito porque eles também quiseram muito me conhecer e começamos a trocar e-mails e marcar encontros no msn. Conversamos sempre com as webcams ligadas e com a utilização do som. Apaixonei-me por eles.

Sabe, o dinheiro não é tanto... mas o carinho e o cuidado que eles possuem comigo compensa. Sinto-me protegida e encorajada. É verdade que quando páro para pensar eu me estremeço as vezes. Fico a imaginar como é viver longe dos pais e seus cuidados e incorporar-se a outra família que não é a sua, mas que passará a ser a sua por um longo tempo.

Você vão ver muito eu escrever: my dad, my mom; isto já acontece... eu já os chamo assim para aproximá-los de mim e vice-versa.

Tá, mas não acaba por aí não, ou vocês acham que meus pais aceitaram facilmente depois do golpe frustrado da família anterior???

Água mole em pedra dura tanto bate até que fura... pois é, e foi assim que tive que ganhar a confiança e a benção dos meus pais. E tem outra coisa, o custo da viagem passou do dobro somente com as passagens... Andei pesquisando por alto e devo precisar em torno de R$ 3.000,00 a 3.500,00 reais. Tenho que baixar este custo... Enquanto que pela a World Study ( a empresa pela qual iria aos EUA) seria apenas R$ 1.500,00 com as passagens inclusas. Ai, ai...

E o príncipe?! Ele continua tentando acordar a princesa do sonho... e não é com beijos (risos). Ainda somos muito amigos, e não poderia ser diferente... ele está sempre ao meu lado, já até aceitou a viagem, mas too little too late.

Estou um pouco perdida... nestas horas as emoções se embaralham... e se ele for realmente o meu príncipe encantado o final será feliz porque o amor verdadeiro sempre vence ainda que dure anosssss. E que Deus diga amém.

Um comentário:

Rafael Tadeu disse...

Eu Te Amo, Muito, Ellen!
Rafael.